O caso das AMAP | Seminário ECOSOL-CES

Seminário | ECOSOL-CES
Circuitos curtos agroalimentares,
outra forma de nos alimentarmos:
o caso das AMAP em Portugal
Com Eber Quiñonez & Sara Moreira
29 de abril de 2019, 17h00
Sala 8, CES | Alta

Apresentação

Este seminário aborda os circuitos curtos agroalimentares e os sistemas tradicionais agrícolas, visitando conceitos como o de agricultura familiar. Pretendemos mostrar outras formas de produção-consumo agroalimentar que não só promovam produtos saudáveis mas também, e sobretudo, possibilitem pensar além do sistema alimentar industrializado, imposto pela visão uniforme do sistema capitalista. A partir do caso da AMAP, debatemos a construção de relações de proximidade e de reciprocidade, bem como a dinâmica de grupos dinamizadores de outras formas de produção-consumo, comprometidas ecológica e socialmente.

Notas biográficas

Sara Moreira – Doutoranda em Sociedade da Informação e do Conhecimento no Internet Interdisciplinary Institute da Universitat Oberta de Catalunya (IN3/UOC), e no Instituto de Sociologia da Universidade do Porto (ISUP). A sua investigação debruça-se sobre estratégias de comunicação para iniciativas de base comunitária no âmbito dos comuns e das “outras economias”, em Portugal e na Catalunha. Participa activamente na Associação pela Manutenção da Agricultura de Proximidade do Porto (AMAP) e faz parte da equipa dinamizadora da recém-criada Rede Portuguesa de Agroecologia Solidária – REGENERAR. Colabora também no programa O SOM É A ENXADA na rádio comunitária Manobras, desde 2015.

Eber Quiñonez – Mestre em Sociologia e Doutorando em Sociologia pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC). Graduado em Psicologia Social pela Universidade de São Carlos de Guatemala. Membro do Grupo de Estudos sobre Economia Solidária no Centro de Estudos Sociais (ECOSOL-CES), na Universidade de Coimbra. Seus interesses de investigação centram-se nas áreas da pequena produção agrícola, agricultura familiar e economia solidária. Atualmente, desenvolve pesquisa na área dos circuitos curtos de comercialização agroalimentar para o caso português.

Atividade no âmbito do ECOSOL-CES

Cidades e a Economia Circular pela Alimentação

No dia 9 de Abril de 2019 a AMAP Porto participou na sessão de apresentação dos resultados do estudo Cities and the Circular Economy for Food, promovida pela Câmara Municipal do Porto no edifício do Porto Innovation Hub.

Esta sessão surge no âmbito do roteiro para uma economia circular do município do Porto e do referido estudo, promovido pela Ellen MacArthur Foundation e apoiado pela Fundação Calouste Gulbenkian, por ter sido seleccionada como cidade em foco.

Inicialmente foram apresentados os resultados conseguidos até à data e na segunda parte da manhã houve um momento de trabalho em grupo para “reflexão conjunta em relação ao modo como pode o Porto ser uma Cidade de Referência na transformação do sistema alimentar atual para um sistema alimentar circular”.

A sessão contou com vários participantes ligados ao tema da alimentação, desde a produção até ao consumo, como o Banco Alimentar e a Lipor, para além da AMAP Porto que se fez representar pela co-produtora Filipa Almeida. Em cima da mesa de trabalho o tema era “Produção, distribuição e consumo” e várias foram as sugestões para os “desafios e propostas” que se pretendiam reunir. No final houve ainda lugar para a apresentação das principais conclusões a todos os presentes.

O próximo passo será a candidatura a Cidade de Referência, numa convocatória promovida pela Ellen MacArthur Foundation, onde a AMAP Porto poderá vir a dar o seu contributo com o seu exemplo.

Divulgação: Vamos iniciar uma AMAP? Iniciativa do Monte Mimo, Alvalade do Sado

O Monte Mimo convida a um encontro no dia 25 de Abril para sonhar e concretizar juntos uma AMAP, com o anfitrião motivado para ser o produtor de hortícolas. O Monte Mimo está disponível para ser produtor de hortícolas numa AMAP em parceria com outras pessoas – produtores e co-produtores (consumidores que partilham responsabilidades). Para concretizar esta AMAP precisamos em conjunto articular a forma de nos organizarmos e agirmos.

Convidamos, no dia 25 de Abril a virem ao Monte Mimo:

 09h30 Boas Vindas
10h00  Visita à horta
10h30 Conversa com o foco
– Como nos organizamos e agimos nesta AMAP?
13h00 Almoço Vegetariano com produtos do Monte Mimo
14h30 Um modo diferente de entregar cabazes
– como feito noutros grupos: AMAP.
15h30 Observações e melhoramentos
– modos de organizar e agir nesta AMAP.
17h00 Chá e fecho

Propomos já no dia 25 de Abril termos também a experiência de entrega de cabazes com produtos do Monte Mimo. Valor e peso: 10 euros/5 kg. Se queres fazer parte desta 1ª experiência reserva o teu cabaz até dia 23 de Abril via e-mail: mimo@ecobytes.net.

Neste dia vamos contar com o apoio da Maria Rute – Orla Design – para a facilitação das conversas. https://www.orladesign.org

O Convite é aberto a todas as pessoas interessadas na articulação e/ou curiosas sobre esta AMAP e pessoas com vontade de se inspirarem… o almoço vegetariano será por donativo.

No passado dia 11 de Abril, em Relíquias – no espaço A Onda, pessoas encontraram-se e concordaram que a ACÇÃO DE PRODUÇÃO E CONSUMO DE BENS ALIMENTARES LOCAL PODE BENEFICIAR TODA A COMUNIDADE!

Apresentámos Modelos de apoio mútuo entre a produção e consumo, de bens alimentares como: AMAP, CSA, Genuíno Clandestino. Escutámos uma produtora com 3 anos de experiência neste tipo de modelos de proximidade. Conversámos e percebemos o que existe entre nós – produtores, consumidores e observadores … e bom, bom, era surgirem AMAPs como cogumelos, aqui e ali ….

Para ouvir na Rádio Rio o programa “Agricultura de proximidade e criação de AMAP”, gravado e editado pela Tamara:
https://www.radiointernacionalodemira.com/cafe-sudoeste



Agradecidos pelo vosso apoio!!!
Um abraço mimoso…
Rita e Sérgio

Sem esquecer que o propósito desta criação de AMAP é a Soberania Alimentar aqui e em todo o lugar… hoje dia 17 de Abril é celebrado o Dia Internacional das Lutas Camponesas!

Ajuda-nos a criar a Identidade Visual da REGENERAR!

A todos os produtores e co-produtores AMAP/CSA,

Se…

…és um produtor / co-produtor activo

…tens criatividade e gosto em co-criar

…defendes a alimentação biológica local

…assim, como redes de consumo solidárias e agroecológicas…

E…

… queres ajudar a dinamizar o modelo AMAP e CSA por todo o país..

… e fazer parte da mudança..

Este concurso de ideias é para ti!

Participa na criação da Identidade Visual da “REGENERAR”, a primeira Rede Portuguesa de Agroecologia Solidária.

Constituída em dezembro de 2018 por sete grupos de agricultura de proximidade, esta organização informal representa agricultores e co-produtores unidos com o mesmo compromisso ético de desenvolvimento justo e sustentável. Um dos objectivos é organizar e disseminar o modelo agrícola de consumo cooperativo e solidário em Portugal.

Faz parte da mudança 🙂

Consulta as INFORMAÇÕES E REGRAS DO APELO aqui. 
O prazo de entrega das propostas termina às 23:59
do dia 30 de Abril de 2019.

Falar e sonhar sobre a produção | consumo de bens alimentares no Alentejo – 11 de abril na Onda, às 18h

Partilhamos este convite à conversa sobre produção e consumo de bens alimentares que vai tomar lugar no dia 11 de abril no espaço Onda em Relíquias (Alentejo), às 18h.

A nossa acção na dinâmica produção – consumo de bens alimentares pode trazer benefícios a toda a comunidade?

Modelos de consumo | produção  há muitos….

O primeiro modelo de partilha de responsabilidade e abundância de produção alimentar – com parcerias entre produtores e consumidores – surgiu em 1960 no Japão e dá-se pelo nome de Tikei e desde então por muitos locais no mundo se têm vindo a desenvolver modelos de apoio mútuo, autónomos, guiados pelo bem comum, como alternativas ao modelo convencional da produção e distribuição de alimentos, guiado pelo interesse económico.

Em Portugal a primeira AMAP surgiu há 13 anos em Odemira, com o apoio da Coop TAIPA. EM Dezembro 2018 foi fundada a Rede REGENERAR que junta 7 iniciativas AMAP | CSA existentes em Portugal.

Vamos apresentar um pouco mais sobre o existe já como AMAP, CSA, Genuino Clandestino e o que os caracteriza como grupos autónomos de consumo com o propósito de criar circuitos curtos de comercialização e de responsabilidade compartida.

Estará presente uma produtora, que se envolveu no desenvolvimento de um modelo CSA na Alemanha, dará a conhecer a sua prática na parceria com os consumidores.

Estamos também a chamar para juntos conversarmos e nos inspirarmos com a ideia de que esta região tem condições para criar modelos onde toda a comunidade beneficia das nossas dinâmicas de produção | consumo neste caso com o foco em bens alimentares

Apresentações

Modelos de apoio mútuo e local entre produtores e consumidores: CSA; AMAP; Genuino Clandestino
Regenerar – Rede Portuguesa de Agroecologia Solidária

Conversa Aberta:
Nesta região podemos adaptar estes modelos à realidade existente?

O que existe pode ser já um inicio de alguma dinâmica de produção|consumo de escala local?

 Local: A Onda – Relíquias
11 de Abril 2019, às 18h