Balanço de final do ano | AMAP Porto

Cerca de 20 pessoas estiveram presentes na reunião de final de ano da AMAP do Porto que teve lugar esta terça-feira, 17 de Dezembro, enquanto decorria a última recolha do ciclo de Outono. O encontro tinha o intuito de juntar produtores e co-produtores da AMAP para um balanço do ano que finda e para olhar para o ano que vem, alinhando necessidades, propósitos e intenções que ajudem a fortalecer a Associação para a Manutenção da Agricultura de Proximidade do Porto.

Reunião de final do ano da AMAP do Porto, 17 de Dezembro de 2019. Foto: Liliana Pinto
Reunião de final do ano da AMAP do Porto, 17 de Dezembro de 2019. Foto: Liliana Pinto
Os slides da apresentação podem ser consultados aqui.

I. BALANÇO de 2019: Um ano de viragem

Depois de uma breve ronda de apresentações entre todas as pessoas presentes – algumas desde o início desta AMAP (2016), outras mais recentes – a Olívia fez um apanhado do ano em termos de dinâmicas do grupo, celebrando a entreajuda, a auto-gestão e o voluntariado existente. Referiu também eventos em que a AMAP participou, abrindo-se à cidade e à comunidade para divulgar o conceito e as práticas da Agricultura de Proximidade.

Seguiu-se um apanhado sobre a presença da AMAP nos media, feito pela Sara, que enumerou também projectos de investigação e seminários académicos em que a AMAP participou a convite de várias universidades. Ao longo de 2019, foi ainda realizado trabalho em rede com a REGENERAR (Rede Portuguesa de Agroecologia Solidária) e a URGENCI (Rede Internacional das AMAP/CSA), dedicadas à promoção de formas mais justas e sustentáveis de consumo, produção e distribuição agroalimentar.

Entrou-se depois nas contas de 2019. A Olivia apresentou um pequeno relatório sobre a economia da AMAP, incluindo o total de vendas e a evolução do número de cabazes distribuídos ao longo do ano. Comparativamente com o ano anterior, o balanço foi positivo, com mais cabazes, mais co-produtores, e mais contribuição para o sustento dos agricultores.

Ao longo de 2019, a AMAP do Porto distribuiu mais de 5 toneladas de hortícolas de proximidade, sem intermediários, sem embalagens, directamente do campo para a cidade.
Ao longo de 2019, a AMAP do Porto distribuiu mais de 5 toneladas de hortícolas de proximidade, sem intermediários, sem embalagens, directamente do campo para a cidade.

II. EXERCÍCIO DE SUSTENTABILIDADE: Quais os encargos para sustentar a vida?

Em muitos países da Europa, as AMAP são criadas pela iniciativa de consumidores, que se juntam para pagar o trabalho de quem possa produzir a sua comida, muitas vezes sendo os próprios consumidores quem compra ou aluga colectivamente o terreno para a produção. No caso de Portugal, a maioria das AMAP têm surgido pela iniciativa de produtores, com uma lógica ligeiramente diferente desta.

Procurando ilustrar como seria a aplicação da “lógica invertida” no caso da AMAP do Porto, a Olivia apresentou um exercício de sustentabilidade, elencando todos os custos envolvidos na produção agrícola da ChuchuBIO: desde o trabalho e mão-de-obra sazonal (juntos representam cerca de ⅔ dos custos totais), à compra de plantas, aluguer do terreno, maquinaria, transportes, etc. Os custos totais dão uma média de cerca de 5.500€ mensais, para os quais seriam necessários cerca de 135 co-produtores associados para cobrir todas as despesas. Actualmente a média é de 31 co-produtores na AMAP do Porto.

Exercício de Sustentabilidade: o caso da Olívia & Zé
CLICAR PARA VER EM TAMANHO GRANDE. Exercício de Sustentabilidade: o caso da Olívia & Zé

Tendo em conta que esta AMAP não é o único canal de distribuição da ChuchuBio, os custos da produção têm sido cobertos por várias frentes, sendo que as AMAPs do Porto e Famalicão representaram 26% do sustento da família em 2019. Vale aqui notar que a Olívia e o Zé recebem ambos o salário mínimo nacional.

Para 2020, o objectivo seria que a contribuição das AMAP para o sustento da família chegasse aos 40% da produção (cerca de 2.200€ / mês). Para atingir este objectivo seriam necessários 55 co-produtores com cabazes semanais de 10€ (ou 110 com cabazes quinzenais). Para ser sustentável, a AMAP precisa de crescer.

III. COMO CONTRIBUIR PARA QUE O MOVIMENTO CRESÇA? 

Várias ideias foram partilhadas pelas pessoas presentes no sentido de melhorar a comunicação e divulgação da AMAP de forma a contribuir para que o movimento cresça.

Desde parcerias com associações, a eventos com crianças, mais “sinaléctica” e pontos de informação nas imediações do local de acolhimento (Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto – UPTEC), dinamização das redes sociais, participação em eventos, etc.

Foi então apresentada uma proposta de actividades de divulgação da AMAP em 2020, a vários níveis, a saber:

  • Localmente: participar em eventos (como o Cidade+, que tem um custo de participação), criar materiais de divulgação da AMAP, organizar visitas/encontros/convívio.
  • A nível nacional: apoiar a Rede Portuguesa de Agroecologia Solidária – Regenerar, na promoção das AMAP/CSA em Portugal, nomeadamente na realização de um documentário independente, já em construção.
  • A nível internacional: manter a ligação com redes e movimentos como a Urgenci, que nos tem apoiado em termos formativos, através da partilha de recursos e convites para participação em momentos de convergência internacionais.

Propôs-se que este plano de actividades fosse apoiado através da criação de um pequeno fundo composto pela contribuição simbólica de todos os produtores e co-produtores envolvidos na Associação para a Manutenção da Agricultura de Proximidade do Porto. Pôs-se a votação a proposta de implementação de uma quota de associado de 10 euros anuais a partir de 2020. A proposta foi aprovada por unanimidade pelos cerca de 20 co-produtores e produtores presentes na reunião.

Para além desta quota, que deverá entrar em funcionamento a partir de Janeiro, ficou também apontado um dia para discussão sobre o plano de culturas para a Primavera-Verão: agora que começa o Inverno, há que preparar sementeiras para o novo ano agrícola que vem!

Foto: Gloria Lino
Foto: Gloria Lino

Seguimos juntos na construção de um sistema agro-alimentar mais justo e solidário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *